segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Direito a liberdade, até que ponto?

A nossa liberdade termina onde começa a do próximo. Posso estar enganado, mas acho que a constituição nos garante esse direito.
Um pouco complicado tentar imaginar onde começa, ou termina nossa liberdade com relação a outra pessoa.
Teríamos que partir do pressuposto de que conhecemos o nosso próprio limite de liberdade. Saberíamos exatamente o ponto onde, de alguma maneira, estaríamos afetando alguma outra pessoa.
Porém, não sabemos que ponto é esse. Dificilmente temos consciência de o quanto nossos pensamentos, opiniões, atitudes podem afetar qualquer pessoa que seja. Isso, por si só já é motivo suficiente para tornar esse tal limite algo utópico.
Agora, a pior parte: e o começo do limite do próximo, onde começa?
Se não somos capazes de avaliar nem mesmo nossa própria liberdae, quem dirá reconhcer e respeitar o limite dos outros?
Como seremos capazes de julgar o quanto invadimos o espaço alheio?
Se existe a advertência do próximo, nos sinalizando a transposição da tênue linha que nos separa do seu espaço, ainda assim, teremos a tendência de "dar de ombros" para tal fato. Afinal, de maneira geral, não conseguimos perceber o limite do próximo, pois não somos capazes de perceber nossos próprios limites.
O que fazer então? Não tenho uma resposta sanadora para essa questão, apenas um conselho: prestemos mais atenção nisso. Vamos tentar avaliar melhor até onde pode chegar nosso direito de liberdade, para não incorrermos em um erro que poderá causar danos e problemas irreparáveis no futuro. Olhem em sua volta, analisem causa e efeito de seus atos, mesmo que ninguém esteja vendo. O preço pode ser alto demais.

Um comentário:

Alex disse...

Saulo,muito bem...Concordo plenamente com vc.devemos começar a ter mais senso de comunidade,e olhar ao redor e vermos o quanto importante é o nosso próximo.Um grande Abraço.